Ficha Técnica
© 2007 RTP / RTP & RDP AÇores
Diretor: António Maurício de Sousa; Sub-Diretor: Sidónio Bettencourt – Chefe do Gabinete Multimédia Açores: Luciano Barcelos - Desenvolvimento: Gabinete Multimédia
Contactos
Segunda, 22 de Dezembro de 2014
Pesquisa na RTP Açores - Informação e Desporto

Comentadores /
Cláudia Cardoso

O tempo do Natal

Publicado: 2014-12-18 16:14:03 | Actualizado: 2014-12-18 16:14:03
Por: RTP Açores
O tempo do Natal


Estamos por horas do próximo natal. Na vertigem do tempo chegará depressa. E num mundo cada vez mais triste haverá espaço ainda para o Natal? Para este Natal? Num mundo que está de luto o Natal faz o contraditório. Num mundo à beira de desistir da esperança chega a celebração. O Natal impõe-se. Mesmo para os descrentes, os revoltados, os deprimidos, os que não vêem saída. Há neste tempo o desejo da partilha primeira. Há luz nestes dias. Olhamos à volta, e tudo parece igual. As ruas cheias, um ambiente de festa no ar, as pessoas subitamente mais tolerantes e afáveis, as prendas, as fitas, os votos trocados parecem em tudo semelhantes. Mas, por detrás de tudo isto, algo mudou. Quem olha para as coisas mudou. As pessoas alteraram a forma como observam o que as rodeia. O grão que se vê na fotografia é outro. A mudança deu-se por dentro. Não há inocência neste olhar, nem falsa esperança. O cenário mantêm-se, repetindo o de outros anos, mas o olhar de quem o vê sabe interpretá-lo de maneira diferente. Apetece protestar pela inconveniência do Natal, de tão inoportuno. A contraciclo, sem dar jeito nenhum, quando falha o espírito natalício, quando falta o dinheiro para erguer a festa, quando está rarefeita a disposição. Porém, se calhar é a esta inconveniência que devemos atender. Pela surpresa que instala. Apesar de tudo há Natal. O mesmo Natal. Independentemente da vontade de cada um, ele regressa. Volta a ser Natal. E, neste regresso, está a mensagem primeira, a de que o Natal existe apesar de tudo. Para o celebrar não precisamos afinal de quase nada, só do espírito aberto à magia desta época única. Feita de silêncio contido e de reflexão sobre o princípio de tudo. Sobre um nascimento pobre e despojado que, apesar das circunstâncias adversas, foi grandioso para a Humanidade. E que, na sua simplicidade, encerrava o princípio de tudo. Num estábulo em Belém. Feliz Natal.

claudia.cardoso9@gmail.com

 
Cláudia Cardoso Cláudia Cardoso

Deputada regional, Cláudia Cardoso é cronista da imprensa açoriana e da RDP.

A sua escrita escorreita e realista cativa o leitor.

2014-12-18 16:14:03 Cláudia Cardoso O tempo do Natal
2014-12-11 16:59:00 Cláudia Cardoso A fraqueza da força
2014-12-04 12:37:33 Cláudia Cardoso O Dê Érre
2014-11-27 16:54:53 Cláudia Cardoso O juízo
2014-11-20 16:00:46 Cláudia Cardoso O bocejo
2014-11-13 13:04:41 Cláudia Cardoso A repetição
2014-11-06 15:49:11 Cláudia Cardoso O disparate
2014-10-30 16:06:07 Cláudia Cardoso A visita
2014-10-23 15:24:53 Cláudia Cardoso Saber vender-se
2014-10-16 15:19:14 Cláudia Cardoso O susto global
2014-10-09 15:31:00 Cláudia Cardoso A respiração da República
2014-10-03 09:57:38 Cláudia Cardoso Os desmemoriados
2014-09-25 16:07:22 Cláudia Cardoso Sem desculpa
2014-09-18 16:23:56 Cláudia Cardoso O recomeço
2014-09-11 17:16:56 Cláudia Cardoso A golpada
2014-07-31 13:15:25 Cláudia Cardoso A invencibilidade
2014-07-24 15:49:25 Cláudia Cardoso Altos voos
2014-07-17 12:29:16 Cláudia Cardoso Piscar os olhos
2014-07-10 17:16:03 Cláudia Cardoso Matar o futuro
2014-06-26 15:49:13 Cláudia Cardoso São as Joaninas